PAU
LAVRADO

Curadoria de Ulisses Carrilho
 

DA CARNE QUENTE

 

“–Tudo é santo! Não há nada de natural na natureza.

Quando a natureza te parecer natural,

isso será o fim de tudo e o começo de outra coisa.”

No filme “Medeia”, de Pier Paolo Pasolini

 

Para este texto, que se dedica a reforçar um diálogo com o corpo de obras produzido por Matheus Chiaratti, com especial atenção para as novas temperaturas em "Pau Lavrado", desvio de uma mirada sobre os trabalhos. Confio numa troca de olhares: ao passo que eu percebo as coisas, de soslaio, elas me olham de volta. Encontro nomes, inscrições, indícios. Em seu livro “Quando verbo si fa carne”, o filósofo italiano Paolo Virno dedicou-se a abordar como a linguagem está diretamente relacionada às condições que regem nossas experiências – desde a transcendência espiritual às conjunturas biológicas. Ao perguntar-se quando a língua se torna carne, com ímpeto intelectual, retoma a tarefa hercúlea de todo aquele que elegeu o frio do mármore para tornar sólida e imutável a carne quente dos homens. Muito embora retome neste título seu termo "carne", aqui esta ideia propositadamente fraqueja. A língua não é carne, fala dela e com ela; a palavra não dá conta de estancar nem gozo, nem dor. O poeta é aquele que malogradamente, milagrosamente, insiste. Confia no verbo. A poética de Chiaratti conduz o público a insistir e também confiar nas letras. Que, recombinadas, estas possam emprestar um sentido que não esteja desvelado na superfície da matéria – o artista criou para si um procedimento poético no qual suas pinturas, desenhos, esculturas e também em seu texto poético, apresenta as palavras e as imagens num regime de concomitâncias. Se ambos, a carne e a língua do humano fraquejam, para esta introdução, convoco a voz do Centauro, no filme de Pier Paolo Pasolini, “Medeia”. Criatura da mitologia grega, com a parte superior do corpo de um humano e a parte inferior do corpo de um cavalo, confio nesta voz, entre gente e deus, entre pessoa e besta, para ler na superfície da matéria a violência e o sagrado. Não há nada de natural na natureza, desponta a criatura. Quando a natureza te parecer natural, isso será o fim de tudo e o começo de outra coisa. 

 

A curiosidade é uma forma de amor. Todo aquele que visita Pau Lavrado pode investigar o desejo do artista. Aventar hipóteses sobre o que move Chiaratti a retomar a Birigui da infância e adolescência, seu passado, e inscrevê-la no seu presente. Além de sugerir corpo e forma desde o título da mostra, toma por empréstimo uma erótica que se encontra à espreita do nome de um bairro rural da cidade onde o artista nasceu e cresceu. Também é nome de um livro escrito pelo artista, ainda não publicado: uma obra que vem. Exposição e livro, paisagem e parte do corpo, gente e coisa, besta e divindade: tudo é santo. 

 

Importa indagar as reentrâncias de suas cerâmicas: elas são uma insistência do artista, que em vários de seus projetos expositivos, apresenta diferentes configurações da experimentação desta linguagem artística. Na carne da matéria, encontramos uma sugestão do corpo, presenças do passado e ausências presentes. Ao passo que encontro a linguagem e a representação na casca da coisa, encontro também aquilo que o artista faz escapar do esquema da representação ou da narração, aquilo que não tem o prazer de mostrar, prefere sugerir ou esconder nas reentrâncias de uma peça. 

 

Em suas pinturas anteriores, Chiaratti manifesta uma liberdade na construção pictórica que o insere numa linhagem visual bastante ampla: raramente apresenta o ímpeto de, com fidelidade à perspectiva, organizar figura e fundo. As camadas sobrepõem-se de maneira insubordinada, protestam contra a pretensa organização do mundo. Os planos parecem ser construídos para cantar os amores do artista. Em Pau Lavrado, percebemos paisagens que retomam o exercício de representação da paisagem, em exercício sempre perigoso e fugidio  – como a própria existência. Na incidência da luz solar, a passagem das horas. Indagamos o anúncio de dias que se apresentam, noites que se impõem no cair dos sóis. Estas paisagens, com exceção de um homem e um animal, não sugerem estar habitadas por pessoas – ao menos na superfície da pintura.  Se de antemão preveni àqueles que me confiam sua leitura, minha confiança na matéria e na experiência com ela, permaneço seguro de que minhas palavras não serão capazes de deformar a compreensão das obras – sequer busco compreender. Entre elas e com elas, aqui me parece agora mais determinantes dividir o que ouvi do próprio artista: um desejo de manifestar nestas pinturas, que derivam de fotografias desses campos verde-amarelos, a tensão de uma cena iminente. Muito embora não possamos ver nesses horizontes a representação de figuras humanas, não torna-se difícil ao perceber a poética do artista, desconfiar da ingênua natureza das coisas. Como um voyeur à espreita, o desejo de um encontro iminente. Há alguma coisa que tornou-se pintura e, sustento eu, outra que prefere o silêncio. Quais fantasias estariam por detrás dos troncos das árvores, dos arbustos, das relvas? Se retomarmos as citações que o artista faz de Whitman, Cocteau, Penna ou Pasolini, sobra alguma sorte de amor.

Ulisses Carrilho

INFO

PAU LAVRADO

Opening: 11 November 2022

Until 20 January 2023

Quadra | Rua Barão de Tatuí, 521, São Paulo

221110_quadra_029-2.jpg

©2022 by Matheus Chiaratti.